JORNAL O GLOBO

JORNAL O GLOBO
5 (100%) 4 votos

O investidor Cláudio Lemos adquiriu ações da Vale após o anúncio do programa de recompra

Jornal O Globo

Jornal o Globo – Bruno Villas Bôas Rio – O descompasso entre os bons lucros apresentados pelas empresas brasileiras e o fraco momento dos seus papéis na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) provocou uma onda de programas de recompra de ações pelas companhias. Pelo menos nove empresas anunciaram nas últimas semanas a intenção de readquirir as próprias ações em um montante de aproximadamente R$ 5,9 bilhões. Segundo especialistas, o movimento pode ajudar a amenizar a queda das ações e melhorar o volume de negócios no mercado, muito afetado pelas crises externas e a aceleração da inflação brasileira.

Foto: Camilla Maia

O movimento de recompra é puxado por gigantes como a mineradora Vale, a construtora Cyrella, o frigorífico JBS e o banco Bradesco, insatisfeitos com o preço que suas ações estão sendo negociadas na Bolsa. Empresas consideradas de menor porte também aderiram aos grupo, como Brasil Hospitality Group (BHG), BicBanco, Paraná Banco e Rodobens.

Segundo Alexandre Espírito Santo, professor de finanças do Ibmec/Rio, os programas potencializam a parcela do lucro das empresas que cada investidor tem direito a receber, os chamados dividendos. Ele explica que, como as ações recompradas são retiradas do mercado, o bolo do lucro distribuído pelas empresas passa a ser fatiado por menos acionistas.

– Mas o investidor não pode imaginar que vai ganhar dinheiro do dia para a noite. As recompras de ações são feitas ao longo de seis meses, um ano, pouco a pouco. É preciso pensar no investimento em longo prazo ou se pode ter muita dor de cabeça – afirma.Regra do programa limita atuação das empresas

Para executar seus programas de recompra de ações, as empresas contratam corretoras. Elas recompram os papéis em doses homeopáticas diretamente no pregão da Bovespa, pagando o preço que a ação é negociada no mercado. Não existe, portanto, uma oferta pública de recompra ou a necessidade de adesão. O investidor pode vender seus papéis para a empresa que os emitiu sem mesmo saber, como em qualquer outra operação na Bovespa.

Segundo Álvaro Bandeira, diretor de varejo da Ativa Corretora, as empresas que recompram as ações não podem explicitamente puxar uma alta do preço dos papéis. Ele explica que existem regras para as recompras de ações. O dinheiro usado na recompra precisa ser de reserva de lucro, ou seja, ganhos da empresa que não foram distribuídos.

– As empresas podem não comprar, necessariamente, todas as ações que elas indicam que pretendem adquirir. Tudo depende do preço da ação – acrescenta Bandeira, que vê, no entanto um efeito positivo.

Hersz Ferman, gestor da Yield Capital, explica que os programas também minimizam preocupações de analistas sobre algumas empresas. No caso da Vale, por exemplo, investidores temem que a empresa volte a fazer grandes aquisições de concorrentes, o que pode reduzir por certo período a distribuição de ganhos da empresa:

– Quando a Vale decide investir nela mesma, essas dúvidas são minimizadas. É um bom sinal para o investidor, de que a empresa prefere usar os recursos que tem em caixa para comprar as própria ações.

Fabio Gallo Garcia, professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) em São Paulo, concorda com o otimismo sobre os programas de recompra. Mas alerta que o movimento não deve ser isoladamente usado pelo investidor para tomar uma decisão de compra ou de venda de ações. Ele explica que o momento é de “extrema cautela” na Bolsa.

– Bolsa barata é como uma liquidação de produtos de luxo: o preço cai de R$ 10 mil para R$ 9.700, mas ainda pode ser um mau negócio. Ou seja, não é porque as ações estão baratas que o investidor vai comprá-las. É preciso ter uma estratégia para atuar na Bolsa, se informar com pessoal especializado – diz Garcia. Vale fecha capital de sua empresa de fertilizantes

De olho nos benefícios dos programas, o Cirurgião Plástico Claudio Lemos adquiriu ações da Vale no dia do anúncio do programa de recompra de ações da empresa. Naquele pregão, os papéis da mineradora subiram 4%. Ele afirma que não pretende, no entanto, vender os papéis da companhia a curto prazo.

– Quando uma empresa grande como a Vale anuncia um programa de recompra e sinaliza que suas próprias ações estão subvalorizadas, quem sou eu para buscar um pequeno lucro? Vou aguardar – afirma o cuidadoso Cirurgião Plástico.

Além do programa de recompra, a Vale anunciou recentemente uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) da Vale Fertilizantes, sua subsidiária. Diferentemente dos programas de recompra, o objetivo é recomprar todas as ações da empresa em circulação para fechar o capital da companhia. Neste caso, a empresa colocou um preço de R$ 25 por ação, o que implica um prêmio de 41% sobre o preços do papel negociado no mercado à vista.

Entre em Contato